Como é que faço para me sustentar? Como faço dinheiro para viajar?

78FD18EC-9C09-4444-9F10-95E6C5D2941E

Nascer do Sol na Austrália 

Pois bem, eu não vos vou dar nenhuma receita milagrosa de como viajar pelo mundo sem dinheiro. Não! Não é nada disso! Possivelmente essa receita existe e por favor se alguém a tiver que a partilhe comigo porque eu também gostaria de viajar sem dinheiro. ☺️
Todos os dias me chegam mensagens que dizem ‘Teresa adoraria viajar assim mas não tenho dinheiro.’
Ouçam bem isto com atenção – Eu também não tenho dinheiro, não tenho muito dinheiro para viajar. O segredo é: eu vou fazendo esse dinheiro, eu vou criando meios para viajar, muitas vezes nem faço dinheiro propriamente mas crio maneiras de ficar num lugar ou ter refeições, e consigo-os com o meu trabalho como moeda de troca.
Mais importante que o dinheiro é o nosso trabalho, as nossas habilidades, os nossos dons… Temos que os usar para nos levarem onde queremos.

Como já vos contei eu comecei a viajar com 5000€. Mas claro que esses 5000€ não existem mais. Eu simplesmente multipliquei esses 5000€ algumas vezes. Como?
Trabalhei!
Por acaso vocês sabem que a Austrália é um dos países onde pagam melhor? E sabem que existe um visto que se chama Work&Holiday que vos permite trabalhar legalmente no país por um período inferior ou igual a um ano com a possibilidade de estender até aos dois?
Este é um dos muitos exemplos e comecei por ele pois foi na Austrália, onde trabalhei durante 3 meses, que ganhei bastante dinheiro que me permitiu voltar a viajar, e quando digo bastante, foi bem mais do que alguma vez fiz em qualquer trabalho em Portugal em 3 meses.
Agora se me dizem que não vos apetece trabalhar em qualquer coisa e não estão dispostos a arriscar, não estão dispostos a levar muitos ‘não’ até haver um ‘sim’, não estão dispostos a dormir em quartos partilhados com 20 camas, então fiquem no conforto da vossa casa porque também vão encontrar dificuldades quando viajam! Muitas! Eu trabalhei em muitas áreas diferentes na Austrália, que nada tinham a ver com o meu trabalho em Portugal.
Fiz babysitting, fiz petsitting, trabalhei numa carwash, trabalhei num restaurante de um italiano que gritava comigo a toda a hora porque eu não sabia falar bem inglês e me trocava toda nos pedidos, despedi-me, mudei de cidade e procurei outra vez, fiz limpeza num hostel em troca de dormida (muito comum na Austrália), fui empregada de mesa em eventos de catering, fiz promoções e entreguei flyers vestida de palhaça e de crocodilo.


Perdi a conta aos trabalhos que fiz por lá. Mas fiz. E de repente tinha ainda mais dinheiro de quando tinha saído de Portugal. E continuei a viajar.

O que vocês têm que delinear é uma estratégia e perceber quais os países em que a moeda é fraca e não vale a pena trabalhar em troca de dinheiro como a Malásia, Indonésia, Filipinas, Tailândia, Sri Lanka, Laos, Vietname, Camboja, Myanmar etc etc e como já perceberam estou a falar basicamente da Ásia pois foram os países por onde andei antes de chegar às Américas. E onde a moeda é forte, Austrália, Estados Unidos, Europa.
O que eu faço é: trabalho nos países onde a moeda é forte para poder gastar onde a moeda é fraca.

Por acaso eu consegui arranjar um trabalho na Tailândia onde me pagavam 10€ por dia, que não é nada, dizem vocês, mas na Tailândia não é mau de todo. Com esse dinheiro conseguia almoçar, jantar, pagavam-me quarto e ainda sobrava dinheiro para curtir. A razão mais forte pela qual o aceitei foi porque queria muito ter a experiência de viver nas ilhas Phi Phi, as mais badaladas da Tailândia por onde o Di Caprio andou a gravar A Praia há 18 anos atrás. ❤️

Outro grande meio que vos permite viajar para lugares sem gastar dinheiro e que eu sou grande, grande fã são os trabalhos voluntários. Esses ficam para sempre no coração e aquilo que nos dão e nos ensinam é tão mais importante que dinheiro!
Vou deixar este assunto dos voluntariados para um próximo texto pois estou muito cansada, fiz uma longa viagem de autocarro de 8 horas (viajar de autocarro ou comboio é sempre a maneira mais barata de viajar e também a melhor para conhecer verdadeiramente um país) e amanhã de manhã bem cedo vou visitar as maiores ruínas Maias do México na cidade de Palenque. – São mais de 15km de ruínas no meio da selva. Pesquisem!

Espero já ter ajudado um pouco a perceberem como se pode ganhar dinheiro.
Este texto foi só o levantar da cortina de um assunto muito vasto e cheio de exemplos para dar.

A única coisa que precisamos mesmo de saber é que quando queremos muito, muito uma coisa, o mundo pode dar as voltas que quiser mas nós conseguimos!!!
E se eu consegui, qualquer um consegue. E sabem porque? Vou contar-vos um segredo que ao início me deixava bastante envergonhada e frustrada. Quando comecei a viajar não sabia falar inglês! Bem “I’m Teresa and I’m from Portugal” não conta!
Sempre gostei mais de Espanhol e Francês e acabei por deixar o Inglês para trás…
Pois bem, se eu, sem saber falar nada de Inglês consegui viajar e ainda trabalhar na Austrália e aprender um inglês (quase) perfeito (coisa que me orgulho muito hoje 😊) qualquer um de vocês consegue.

Só precisamos de querer muito e acreditar ❤️

 

Desculpem se tiver erros. Texto escrito às escuras na cama de um quarto de um hostel partilhado com mais 9 pessoas.

Afinal como é que esta miúda viaja?

019D904F-AA0B-4D5E-96C1-B4EEE56A7CC7– Afinal como é que esta miúda viaja há tanto tempo?
Tenho recebido imensas mensagens de pessoas que gostariam de ter a mesma experiência que eu – largar tudo e viajar!
Li todas as mensagens e selecionei um conjunto de perguntas que me pareceram pertinentes às quais vou respondendo aqui neste não blog em posts variados consoante a minha disponibilidade e tempo que isto de viajar ocupa muito do meu dia. Passo os dias a assimilar tudo o que a vida me dá. ❤️

1- Como faço para me sustentar ?
2 – Organizei a minha viagem? Como? Como escolho os países ? Com quanta antecedência compro os vôos?
3 – O que me incentivou a viajar?
4 – Planeei viajar tanto tempo ?
5 – Como faço para ganhar dinheiro?
6 – Pondero voltar?
7 – O que vou fazer quando voltar? Penso nisso?
8 – Não me assusta viajar sozinha? De que tenho medo?
9 – Já me aconteceu algo de mal?
10- E se me faltar o dinheiro como faço? Viajo para onde ? Vivo de quê?
11 – Onde durmo? Onde como?
12 – Sinto-me segura a viajar sozinha pela América Central/Sul?
13 – Ainda vivo com os 5000€ com que comecei a viajar ?
14 – Quanto tempo aguentei com 5000€?
15 – Como arranjo trabalho?
16 – Qual o destino que mais gostei ?
17 – Como faço com a roupa e sapatos? Uso sempre a mesma?
18 – Sinto-me sozinha quando viajo?
19 – Qual a rotina de um dia meu em viagem?

 

Ao início chateava-me receber algumas mensagens menos boas com especulações sobre a origem do meu dinheiro para viajar.
– Deves ter pais ricos para viajar assim.
– Com o dinheiro dos papás também eu tirava essas fotos.
– Vai trabalhar e faz alguma coisa da vida.
– Aposto que andas com um rico que te paga tudo.
– Uma mulher a viajar sozinha? Deves ser fresca deves.
– Devias era estar em casa e lavar roupa.
– Estas gajas andam sozinhas, depois admiram-se quando lhes acontece alguma coisa.
Não, não estou a brincar. Estas são mesmo algumas das muitas mensagens que eu recebi ao longo dos primeiros meses de viagem. Ser mulher não é fácil, já todos sabemos. Provavelmente para um homem enviarão outras parecidas mas neste caso, o MEU caso, foram muitas as mensagens ligadas ao machismo e à maldade.
Não vou mentir, ficava triste e pensava – ‘um dia vou responder a estes bonecos’ – mas depois quanto mais corria o mundo menos me importava o que diziam ou achavam as pessoas, a minha mente estava cada vez mais aberta e todos os dias conhecia tantos e tantas viajantes que me faziam sentir em família. Faziam-me sentir em casa. E percebi que essas especulações não são um problema de Portugal, existem no mundo todo, nuns países mais que outros.
Então comecei a viver e nunca respondi aos bonecos.
Mas agora, já há algum tempo que algo mudou, tenho recebido muitas mensagens boas, tenho sentido uma energia muito positiva, troco mensagens muitas vezes com outras mulheres portuguesas e de outros países viajantes e ganhei confiança para responder com amor e não com ódio a todas as mensagens. ❤️
Não se esqueçam nunca, o mundo é de quem se atreve!

No próximo post vou responder à primeira e mais badalada pergunta.

Fiquem atentos!
😘

O início

81C10D9B-B04B-4823-8499-5B0C77637E6EEntão é isto… Estou mesmo a criar esta coisa (outra vez e desta vez sozinha uhuhuh). Vou fazer uma breve apresentação sobre mim mas antes quero dizer-vos que ISTO NÃO É UM BLOG. Pensar que isto é um blog causa-me uma certa pressão, desconforto até. Deixa-me a pensar que tenho uma obrigação de escrever aqui todos os dias ou todas as semanas. E eu odeio obrigações ou algum tipo de ‘contrato’. Isto é um local onde posso escrever sobre coisas que me interessem, coisas que vos interessem, os meus textos lamechas que de vez em quando escrevo e perguntas que tenham ou assuntos que queiram que vos ajude.

Sou a Teresa, nasci e estudei em Coimbra. Aos 23 mudei-me para Lisboa onde era gerente de um restaurante. Tinha um trabalho bom, uma casinha linda em Belém, um namorado e uma vida tranquila que aos olhos de qualquer pessoa era bastante boa para a minha idade. E era. Ía ao ginásio todos os dias, saía com os meus amigos ao fim-de semana. Perdia-me nos croissants do Careca ao Domingo. E nos saldos lá ía eu a correr para o shopping com as minhas amigas. Tudo estava tranquilamente tranquilo na minha vida. Não havia nada de errado com ela. Mas se não havia nada de errado porque é que não era feliz?

Decidi em Janeiro de 2016 que o melhor seria fazer uma viagem. Ainda no ano de 2015 tinha feito uma mochilão pela Tailândia durante um mês e tinha gostado. Voltei a Portugal e nunca mais fui a mesma, as perguntas ecoavam a toda a hora na minha cabeça como flechas excitadas que íam contra os meus neurónios e me magoavam – Se há tanto mundo para veres Teresa Maria o que raio estás tu a fazer numa cidade no teu país com um trabalho e uma vida que não te fazem feliz?
Tentei calar as vozes na minha cabeça durante alguns meses até que em Maio de 2016 decidi que não queria mais aquela vida para mim.
Comecei a pesquisar lugares e consegui convencer a minha melhor amiga a viajar comigo, a minha única amiga na altura com a mesma dose de loucura que era capaz de deixar tudo e vir comigo. E começámos a planear um ano pelo mundo e como seria bom viajar sem rumo.
Tínhamos até Setembro para juntar algum dinheiro para ir. Simplesmente ir.
Conseguimos mais ou menos 5000€ cada uma com muito trabalho e esforço (sim porque em Lisboa conseguir juntar 5000€ quando se paga casa própria, contas e sei lá mais o quê não é fácil) e lá fomos nós, dia 8 de Setembro de 2016 rumo à Malásia (…).
Dia 3 de Janeiro de 2017 a minha amiga decidiu voltar a Portugal e eu continuei… Até hoje!
É esta a história muito resumida dos últimos anos da minha vida. Em breve vou contar-vos mais. ❤️